Jogos Psicológicos

De acordo com Eric Berne, os Jogos Psicológicos são uma série de transações complementares que se desenrolam até um desfecho definido e previsível.  Pode ser descrito como um conjunto repetido de transações, não raro enfadonhas, embora plausíveis e com uma motivação oculta.  Eles são constituídos por uma série de lances com uma cilada ou “truque” no meio ou no fim.  Todo jogo é basicamente desonesto, e seu desfecho tem um certo caráter de dramaticidade.

Suas principais características são:

Objetivo:  É o propósito geral do jogo, sendo que às vezes existem alternativas. No caso do “Se não fosse você”, o jogador pode estar querendo apenas sentir-se seguro (“Não é que eu esteja com medo, é porque ele não permite que eu vá”), ou se justificar (“Não é que eu não tente, mas ele não deixa”).

Moeda: é o assunto, em torno do qual se dá o jogo, ou seja  o meio que leva ao   seu desfecho. Elas podem ser palavras, dinheiro, partes do corpo, dentre outras.

Papeis: os envolvidos em jogos psicológicos atuam em três papéis estereotipados: Perseguidor, Salvador e Vítima.

Tese: é uma descrição geral do jogo, incluindo a sequência direta dos acontecimentos (o nível social) e a informação a respeito do cenário psicológico desses eventos, de sua evolução e significado (nível psicológico).

Antítese:  são as consequências em recusar  um jogo, ou  eliminação de um desfecho, ou aceitação de um desfecho.

Lances: Correspondem, “grosso modo”, aos estímulos em um ritual (uma série estereotipada de transações complementares programadas por forças sociais externas), ou seja, são estímulos essenciais para ao desenvolvimento do jogo que ordenam uma situação para que seja atingido um desfecho.

Desfecho: É um final previsível e, em geral, consiste em mau sentimento sentidos pelo agente e respondente.

Você deseja conhecer todos os fundamentos da Análise Transacional? Participe do curso AT 101 on-line.

Fonte:

BERNE, Eric. Os Jogos da Vida. São Paulo, Nobel, 1995. P  53 -56

BERNE, Eric. O Que Você diz Depois de Dizer Olá? São Paulo: Nobel, 1998. P. 35

 

Luiz Antonio Tiradentes: Administrador, Analista Transacional Certificado,   formador de líderes  e autor do Método Inteligência Comportamental.

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *